Início » Carreira Turbinada » Elaboração de Currículo para Primeiro Emprego
Elaboração de Currículo para Primeiro Emprego

Elaboração de Currículo para Primeiro Emprego

Se para muitos profissionais a elaboração de currículo é tarefa difícil, imagina para quem está buscando o primeiro emprego.

Índice de Conteúdo

Antes de explorarmos o assunto referente aos desafios na elaboração de currículo, vamos entender como se inicia a carreira profissional através do primeiro emprego.

O primeiro emprego ocorre de duas formas: estagiário ou jovem aprendiz.

Primeiro Emprego como Estagiário

Estágio é uma ação educativa escolar, desenvolvida no ambiente de trabalho.

Isto é, tem como propósito preparar os discentes para as atividades do trabalho.

Quando falamos em discentes, queremos nos referir aos alunos que estão frequentando:

  • O ensino regular em instituições de educação superior;
  • O ensino regular em instituição de educação profissional:
  • O ensino regular em instituições de ensino médio;
  • O ensino regular em instituições da educação especial;

Além dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos.

O objetivo do estágio é contribuir para que o aluno tenha a oportunidade de desenvolver habilidades específicas, relacionadas à atividade profissional e à contextualização curricular.

Isso quer dizer que o aluno, ao longo do seu período como estagiário, vai desenvolver competências que vão auxiliá-lo para a vida no trabalho.

O estágio pode ou não ser obrigatório.

O que define são as diretrizes vinculadas ao projeto pedagógico do curso que o aluno estiver fazendo.

Contudo, é bom ressaltar que não gera vínculo empregatício.

No entanto, é regido pela Lei 11.788, de 25 de setembro de 2008, que determina uma série de obrigações, seja para o empregador, instituição de ensino ou estagiário.

Logo, é gerado um termo de compromisso entre as partes com a finalidade de que a lei seja cumprida.

Primeiro Emprego como Jovem Aprendiz

O programa de jovem aprendiz, para dar início ao primeiro emprego, foi elaborado pelo governo federal e compreende a participação de jovens com idade entre 14 e 24 anos.

Este projeto para primeiro emprego, tem como propósito fazer com que as empresas criem programas de aprendizagem.

A proposta é que possam capacitar profissionalmente adolescentes e jovens em todo o país.

Isto é, as empresas criam um planejamento para que o jovem aprenda uma profissão e seja qualificado para desenvolver competências vinculadas à área em que vai atuar.

Um outro ponto importante é que o primeiro emprego como jovem aprendiz é regido pela CLT.

Ou seja, implica em registro na Carteira de Trabalho, Previdência Social e inscrição em programas de aprendizagem sob orientação de instituição qualificada em formação técnico-profissional.

Então, de acordo com o que mencionamos até aqui, tanto o estagiário quanto o jovem aprendiz não possuem experiências.

Em outras palavras, elas serão adquiridas através da conciliação entre a formação (estudos técnicos) e o trabalho propriamente dito (prática do dia a dia).

Geralmente quem busca o primeiro emprego tem em mente que nunca vai conseguir competir com os profissionais de mercado, porque eles já possuem experiências.

Na visão deles, estão em desvantagem e não serão capazes de competir porque estão “engatinhando”, enquanto esses profissionais já estão “correndo“.

Acontece que, nem sempre, as experiências de um profissional de mercado tornam o seu currículo mais convidativo.

Na elaboração de currículo, o que deve ser levado em consideração é o que vai torná-lo atrativo para o recrutador.

E isso independe de ter ou não experiência. Mas sim, da capacidade de saber preparar um bom currículo e mostrar as competências de forma clara e objetiva.

O fato é que não podemos negar que as experiências profissionais de um candidato são sempre muito relevantes.

Entretanto a vivência acadêmica e os cursos de qualificação podem fazer muita diferença quando o recrutador estiver fazendo a análise do candidato ao primeiro emprego.

Por esta razão, indicamos para quem nunca trabalhou, que não teve uma experiência laboral, que fique atento na hora da preparação do currículo.

Mas então como elaborar um currículo quando não se tem experiências?

Para a elaboração de currículo para primeiro emprego, é possível se basear nas seguintes orientações:

1. Informações Pessoais

Não podemos esquecer que as informações de contato são imprescindíveis.

Sendo assim, é um erro esquecer o endereço de e-mail e o telefone de contato na elaboração do currículo.

Sem essas informações, o recrutador pode ficar interessado no currículo e não ter como contatar o candidato.

Embora seja um tema muito explorado, é um dos erros mais comuns de serem cometidos do que se imagina.

Muitos jovens perdem excelentes oportunidades para seu primeiro emprego, por falta das seguintes informações de contato:

  • E-mail
  • Telefone

Do mesmo modo que incluir é imprescindível, não errar na hora de escrever é fundamental.

Outro detalhe importante é que o seu endereço de e-mail não deve ser “bizarro”, isto é, “esquisito”.

Por esta razão, você deve ter um endereço de e-mail para uso profissional, contendo seu nome e sobrenome.

2. Área e Interesse

Na elaboração de currículo para primeiro emprego, o candidato também precisa indicar a sua área de interesse.

Ou seja, a área que tem interesse de iniciar sua vida profissional.

Colocar o objetivo profissional, de forma clara e sucinta, é fundamental.

Dessa forma os recrutadores saberão onde o candidato vai se sentir mais engajado, motivado e dedicará esforços e empenho para adquirir as habilidades necessárias.

Evite as frases genéricas como:

  • Em busca do primeiro emprego;
  • Iniciar minha carreira profissional;
  • Recém-formado em busca de emprego.

Essas frases comprometem o currículo porque demonstram falta de foco, objetividade e, principalmente, falta de propósito e meta profissional.

Procure focar, nó mínimo, na sua escolha acadêmica.

Consequentemente ele vai entender que o seu objetivo é conhecer na prática como funciona a parte teórica e conceitual.

3. Experiências Acadêmicas

As experiências acadêmicas devem ter destaque na hora em que você for elaborar o seu currículo.

O que quero dizer é que você não pode se contentar em colocar apenas o curso que fez. Experiências acadêmicas, vão além de informar que fez o ensino médio na instituição tal ou a graduação em outra instituição.

O que os recrutadores querem saber é o que, efetivamente, você teve de experiências nos cursos que fez e que podem ser aplicadas no mercado de trabalho.

Colocar que já participou de empresa júnior, elaborou um plano de negócio ou mesmo participou de feiras apresentando seus projetos, contará muito a seu favor.

Essas informações visam aguçar a curiosidade do recrutador em conhecer, de forma mais detalhada, como foram essas experiências e quais os resultados que você alcançou com elas.

Além disso, significam em primeiro lugar que você tem foco em sua carreira e, em segundo lugar, que se dedicou ao seu desenvolvimento durante o curso e está fazendo um planejamento de carreira.

Resumindo, incluir seus cases de sucesso acadêmico vai despertar o interesse do recrutador para selecionar o seu currículo e te chamar para participar do processo seletivo.

4. Cursos Complementares

Outro ponto importante diz respeito ao conhecimento geral que o candidato tem adquirido.

É relevante para os recrutadores saberem sobre a formação do candidato, entretanto conhecer quais foram os demais cursos que ele fez trata-se de um complemento significativo.

Isto é, o que eles querem saber é quais foram os cursos que candidato concluiu que promoveram continuidade ao seu desenvolvimento.

Você pode e deve mencionar:

  • Cursos extracurriculares;
  • Certificações que fez na área;
  • Idioma;
  • Uso de ferramentas de informática;

Bem como, não pode esquecer de citar se participou de workshop, palestra e congresso.

Porque estar nesses eventos, propicia muito conhecimento, além de mostrar o quanto você é “antenado” com as novidades da sua área.

Sabe aquelas “Atividades Complementares” que a instituição de ensino te convida a comparecer?

Pois bem, elas são atividades que permitem desenvolvimento de competências, melhor dizendo, conhecimentos, habilidades e atitudes que você vai adquirir fora do ambiente escolar.

Enfim, elas vão te proporcionar vivências e experiências acadêmicas que agregarão valor ao seu currículo.

Por outro lado, você deve tomar cuidado com os excessos de cursos.

Quero dizer com isso que incluir cursos sem relevância não agregam valor para a vaga que deseja ocupar, além de tornar seu currículo muito longo.

5. Outras Experiências

Oriento sempre incluir suas experiências em projetos que visam a responsabilidade social.

Por mais que uma pessoa pense que essas informações são apenas para “florear” o currículo e passar a ideia de um profissional comprometido, para os recrutadores não.

Posso afirmar que é possível identificar competências que acabam se tornando um diferencial na hora da seleção para o primeiro emprego.

Ao mencionar essas experiências, na elaboração de currículo para o primeiro emprego, o candidato demonstra algumas habilidades que já possui.

Mesmo que não tenha experiência profissional.

Vou te mostrar alguns exemplos:

  • Informar que participa da compra de alimentos para uma instituição filantrópica e negocia com os fornecedores melhores preços, sinaliza que o candidato tem a habilidade de negociação;
  • Dizer que coordena o coral de uma instituição religiosa, isso demonstra a habilidade de liderança de um grupo/equipe;
  • Mencionar que prepara os eventos em uma instituição para idosos, constata a habilidade de organização.

Mas não se esqueça, todas as referências apresentadas devem ser verdadeiras.

Não considere a possibilidade de incluir cada uma delas apenas para enfeitar o seu currículo.

O que quero dizer é que você não vai se sobressair em relação aos demais candidatos apresentando informações inverídicas, falas ou mentirosas.

Muito pelo contrário, caso você seja chamado para a entrevista o recrutador terá condições de checar essas informações.

E se não forem verdadeiras passará a impressão de falta de honestidade, o que será bem pior para você.

6. Premiações e Reconhecimentos

Desde que você avalie a relevância desses dados, incluir as premiações e reconhecimentos podem gerar um diferencial em seu currículo.

Imagina que uma empresa divulgou uma vaga em busca de um profissional para a área administrativa e esta pessoa vai ter que preparar diversas planilhas e usar muitos cálculos.

Você não tem experiência alguma na área, mas participou das Olimpíadas de Matemática da sua universidade e conquistou o primeiro lugar.

O que você acredita que o recrutador, ao fazer a análise de currículo, pode pensar sobre isso?

No mínimo o óbvio, isto é: que você é bom em matemática.

Por outro lado, além do óbvio, ele pode pensar que vale a pena te entrevistar para saber o quanto você conhece e pode aplicar este conhecimento na empresa.

Bingo!

Você, ao dar conhecimento sobre sua participação em projetos sociais, provocou a atenção dele e gerou o interesse de conversar contigo para entender melhor sobre essa habilidade com números.

Além disso, muitos recrutadores já divulgam as vagas para primeiro emprego, em sites especializados, determinam um campo para preenchimento desta informação.

Com tudo que acabou de ler, espero que você não duvide mais que seja possível uma Elaboração de Currículo para Primeiro Emprego.

Por mais que você não tenha experiência profissional, não deixou de ter experiências de vida e certamente cada uma delas será relevante para a sua vida profissional.

Então, se está buscando o primeiro emprego, jamais diga que não tem experiência.

Em outras palavras, as experiências que vivemos nos mostram que foi preciso ter ou adquirir um conhecimento, uma habilidade e uma atitude para elas acontecerem.

Por isso, é preciso se permitir e aproveitar cada experiência que você vive em sua vida.

Na Elaboração de Currículo para Primeiro Emprego, elas serão seu diferencial.

Este conteúdo foi útil?

3 comentários em “Elaboração de Currículo para Primeiro Emprego”

  1. Carla Coelho

    Olá Silvana,

    Temos contato com diversos profissionais da área de Recursos Humanos e, sem exceção, mencionam sobre a dificuldade dos jovens para fazer a elaboração do currículo, bem como a falta de atualização dos profissionais que já estão atuando no mercado.

    Ocorre que esses jovens acreditam que não possuem experiências, no entanto se observarem a vivência acadêmica, vão identificar que utilizam e desenvolveram várias competências.

    No que diz respeito aos profissionais que já estão no mercado, infelizmente acreditam que uma vez empregados, não precisam mais mexer e atualizar o currículo. O que pode se transformar em um problema, caso um dia precisem dele.

     

  2. Silvana Pereira Almeida

    Entendo que quando estamos na área de Recursos Humanos  e temos contato com diversas pessoas, podemos perceber o quanto a maioria delas tem dificuldade para elaborar ou manter seu próprio currículo atualizado.
    Neste caso o melhor mesmo é buscar um profissional da área para que possa auxiliá-lo nessa busca pela tão sonhada recolocação profissional.
    Um abraço,
    Silvana Almeida
    Relações Humanas 
     

  3. Nós que atuamos na área de Cursos e Treinamentos, estamos percebendo que os alunos, mesmo que adequadamente capacitados, não estão conseguindo emprego, na maioria das vezes, por problemas no preenchimento de Currículo e por falta de informação sobre a empresa em que pretende trabalhar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

QUER TURBINAR SUA CARREIRA?

Receba conteúdo sobre Carreira.

   

Cadastrado com Sucesso!

Rolar para cima